31/01/2008

Do amor num FIAT Tempra...

A estação era a do Parque Eduardo VII. Seriam cerca de 21h17.

Tit. Tit. Tit.

As portas da carruagem abrem, Ele sai, agita o lenço de estilo palestiniano de cor vermelha, cruza o olhar com o Dela. Ela entra na carruagem, pára à frente Dele e ficam a olhar-se como se fosse a primeira vez que se viam. Alguns segundos depois, beijam-se com uma paixão que é raro ver nos transportes públicos (a não ser entre crianças de 15 anos a quem mal nasceram os púbicos e que acabam de descobrir a genitália).

Gostei daquela maneira sui generis de se reencontrarem. De se beijarem. Até porque, atraentes como ambos eram, a cena poderia ter sido retirada de um qualquer filme europeu (vá, desde que não fosse português): rostos bem delineados, bonitos, ambos vestidos num estilo urbano italiano irreprensível, perfumados. Fingiram que não se conheciam, que não tinham qualquer intimidade, e depois, contra todas as espectativas, PUMBA, beijam-se, assim, sem mais nem menos.

Gostei.


Alguns minutos depois, por volta das 21h26, repito a experiência que tenho vivido nas últimas semanas. Saio do metro na saída Praça de Espanha/Av. de Berna e lá estão eles, dentro do FIAT Tempra, que deve ser de 1990. Ela, ar de brasileira ilegal de meia idade, acabada de chegar do outro lado do Atlântico. Já Ele não engana ninguém com aquele ar de transmontano. Deve ser proprietário de um qualquer latifúndio a Norte. A mulher deve estar em casa a secar enchidos ao fumeiro. Ou então com o rabo gordo em cima do balcão da Padaria Central, cheio de farinha, porque quase de certeza que anda enrolada com o padeiro nas horas vagas, nas horas em que o marido tem "reuniões de negócios" em Lisboa com a brasileira.



(Esta é a mulher do senhor. Castiça, não é?)








E os filhos, ou ajudam na labuta no campo, ou já andam a ganhar 18,50€/hora na construção civil em Espanha, tão na voga lá para aqueles lados. E, com alguma sorte, ainda arranjam uma fresta ao fim de semana para irem às meninas a Bragança. Quem sai aos seus não degenera.

Voltando ainda ao FIAT Tempra, eles não falham. Estão lá todos os dias, quando eu passo às 21h26. Com tantos locais estratégicos em Lisboa, com tanto quarto a 20€/hora no Saldanha (com direito a duche deslavado e TV "Cabo", segundo vim a saber nos classificados do Correio da Manhã), e eles vão-se pôr mesmo ali, onde passam pessoas de família como eu. Na saída do Metro! E depois trocam umas lambidelas de mão muito esquisitas, muito lamechas, muito de amantes. Eu nunca tinha visto nada do género. Encolhem-se nos bancos da frente e ali ficam, a lamber as mãos um do outro. Os carros que vão para o Viaduto Duarte Pacheco de um lado, os drogados e bêbados que por lá andam do outro, e eles, amantes, ali no meio. Coisa sem gosto nenhum. Chucrice que acontece quando se mistura Brasil e Trás-os-Montes!

Há pessoas mesmo estranhas.




Post Scriptum - Façam a experiência. Quando passarem no metro da Praça de Espanha às 21h26, procurem o FIAT Tempra, que há-de lá estar. A não ser que eles mudem de sítio. Nesse caso, por favor, aceitem as minhas desculpas!

30/01/2008

Talvez o post mais irritado de sempre e com a palavra "porra" escrita mais vezes na história deste blog

PorraPorraPorra
PorraPorra
Estou a passar-me por completo. É que estes senhores....












E estes...













E estes também....

São uns esquisitinhos da porra!!
Passei a porcaria do dia agarrada a sites, com a melhor das intenções, à procura de empregos no cú de Judas, em países com nomes impronunciáveis, onde ninguém quer pôr uma unha do dedo mindinho sequer, e o que é que estes senhores me dizem....?!
3 anos NO MÍNIMO de experiência profissional na área...
AT LEAST 5 years of experience of work in developing countries with NGOs....
AT LEAST 3 years of experience in administration of projects, finance and operations, preferably in the peace-building, development and/or related fields...
Digam-me, como é que estes rainhosos, que não têm outro nome, querem que uma pessoa tenha espírito de entrega e seja altruísta, quando eles pedem a porra de uma vida inteira de experiência em funções que só organizações deste tipo proporcionam?! Ora, há aqui uma redundância que me anda a escapar... como é que que querem que tenhamos essa experiência, se não temos onde obtê-la?
A não ser que queiram que eu vá tipo voluntária free-lancer para as Áfricas e Ásias deste mundo, e depois lhes mande o currículo a contar a fominha e o frio que passei!!!
Porra, fico mesmo irritada!
Porra porra porra!



28/01/2008

Hoje é um daqueles dias



Em que me apetece fumar, sem pensar que me faz mal, e que mata, e que fico infértil, e que ficaria impotente se fosse do sexo masculino.

Em que me apetece beber, sem pensar no meu fígado, sem pensar no estômago quando começar a vomitar, sem pensar no mau hálito, nos dentes roxos, na dor de cabeça de amanhã.

Em que me apetece reter os cheiros que me passam pela pele, aqueles que adoro, réstias de segundos que foram e não voltam a ser. Sem pensar que existe amanhã, que existem outras pessoas.

Hoje apeteci-me entrar naquele avião que vi passar e aterrar em Paris, beber uma aguardente francesa em Mont-Martre, esquecer que posso ser despedida e que estou sem dinheiro sequer para apanhar um autocarro até ao aeroporto.

Hoje apetecia-me voltar a ser uma mulher rural, voltar a viver no campo, esquecendo todas aquelas coisas que me fazem falta na cidade. O buliço, a Baixa e o Bairro, o cinema e os teatros, os concertos e os bares.

Apetecia-me ser pequenina outra vez, e voltar a sentir a alegria inocente de descobrir que na praia também há hortaliças (limos, entenda-se), e brincar com o meu irmão na areia, até não aguentarmos mais o cansaço que o sol e o próprio ar do mar nos fazem sentir.

Hoje é um desses dias em que tudo o que não me serve está a mais, e tudo o que eu queria está a menos.

25/01/2008

Quem estiver farto dos cartazes da Optimus levante a mão!!!

Parece que o rebranding anda na moda por esse país fora. Começou a norte, na Invicta, com a Sonae, e estendeu-se às ilhas, com o BANIF. A Sonae, quer me parecer, deve ter pactuado com algum lobby do mundo da optometria. É que aquele cor de laranja está de tal maneira espalhado por cada centímetro desta cidade, que quase me convenço que estou com alguma dioptria ou miopia ou qualquer coisa terminada em "ia" que me soe bem. Ainda por cima, o "magma" que define a nova imagem da empresa tem sido fortemente acusado de plagiar outras marcas com ideias semelhantes, como aconteceu com a Nokia. Quanto a isso, pouco me incomoda. Até tinha os anúncios da Optimus em boa conta, recebiam uns prémios e tal, boa música, boas filmagens, enfim, uma receita que funcionava. Mas agora até decidiram ir filmar para a Argentina. Humpf!
"Do que é que precisas?", perguntam eles. Eu? A mim dava-me jeito não ser a cada esquina, a cada passo que dou, bombardeada com a porcaria do magma cor de laranja que a mim não me diz nada. Eu nem sequer quero mudar para a Optimus!!

Já o BANIF, também suspeito que tenha pactuado com as ópticas. Ou com a Opus Gay. Ou com a Ilga. Então aquilo lá é cor que se dê ao raio do banco?! E depois ainda metem aquele monstro mitológico, que esteticamente é repugnante. E como se não bastasse, ousam ainda perguntar "Acredita"? Eh pah...custa um bocadinho a acreditar numa coisinha tão... digamos... má!

Afinal, quem é que anda a precisar de uma mega operação de rebranding? A mim, parece-me que são esses pensadores que para aí andam a dar azo às suas ideias roxas e cor de laranja.

Ele há para aí tanta gente que precisava de um rebrandingzinho!
Ontem não pude evitar mais umas lágrimas no autocarro... e mais umas quantas no Metro. Porquê? Porque fui assaltada por um dos medos mais humanos que podem existir. Aquele estranho medo, quase pânico, de quem teme esquecer o rosto daqueles que se amou um dia e que já partiram.

E chorei porque, após algum esforço de memória, não conseguia recordar o rosto da minha avó. Chorei porque me senti incapaz de lhe lembrar as feições. Porém, é impossível esquecer as mãos curtidas de anos de trabalho que me aconchegavam naquelas noite frias que só se sentem nas aldeias. E as ternura dessas mesmas mãos que tanto me alimentara, cuidaram, embalaram, curaram.

E sentir o corpo encolher, frustrado perante essa impotência de recordar um rosto que olhei todos os dias da minha vida, desde que nasci. Sensação essa que é ainda mais castrante quando a maior parte do que tenho e sei sobre a minha família, só o posso encontrar em fotos, em memórias, em pedras tumulares. Pergunto-me por isso como é possível não lembrar o rosto da avó que amei, como posso cometer tal heseria sem ser punida por algum desígnio superior.

Dói não lembrar. Tudo é estranho, quando muito do que resta da família é-nos dado por alguns momentos de solidão. Num qualquer banco, numa praia qualquer.

Katharsis




Se a world music, vasta como é, se pudesse condensar num só vocábulo, seria Katharsis. Estes senhores primam pela versatilidade, pela descontração com que brincam com os inúmeros instrumentos, pela empatia que criaram com o público no concerto que tive o privilégio de assistir ontem. A ajudar, o patrocínio da aura que só um espaço centenário como o Grémio Lisbonense poderia proporcionar.

A diversidade sonora é tal, que com alguma imaginação passamos, no espaço de minutos, de uma cenário western (patrocinado por sonoridades country) para uma qualquer praia jamaicana (onde impera o roots reagge), passando ainda pelos Balcãs, onde impera a influência Kusturica.

A composição é genial, louvável, alegre. Fazendo por isso pouco jus ao conceito aristotélico com que se baptizaram. A prestação de Katharsis proporciona sem dúvida uma purificação das almas através da descarga emocional. Mas esta não é provocada por um drama, enquanto conceito recuperado da tragédia grega, mas antes por um estado de euforia que se apodera de cada centímetro do corpo e nos põe a mexer.

É difícil enumerar todos os estilos que se cruzam na música destes senhores. Têm presença forte o reaage, o ska, o trance instrumental, as sonoridades étnicas e folk, e ainda um surpreendente toque country que me desarmou. Sem faltar o cover de Stand By Me, para dançar juntinho, ou citando Tommy, para "encaixar como pecinhas de Tetris". Se bem que o apelo tenha sido feito numa outra música, faria também aqui todo o sentido.

Katharsis mereciam mais projecção e concerteza seriam bem aceites junto daqueles que cada vez mais se abrem a este tipo de produções que fogem ao mainstream, num registo indie ao qual é impossível resistir.

Estão de bom saúde. E recomendam-se!

Visitem-nos em: http://www.myspace.com/skatharsis

24/01/2008

Não percebo aquelas pessoas que, tentando desculpar esquecimentos, falhas, erros, lapsos e whatsoever, usam a expressão "Sabes como é que é". Não, porra, eu "não sei como é que é!"

Por isso, parem de me tratar como se eu "soubesse como é que é" e não me digam essa porcaria!

OBRIGADA

23/01/2008


Após breve visita a blog alheio, apercebi-me de uma mania que tenho desde que vivo em Lisboa. Vá se lá saber porquê, os meus sítios favoritos para chorar são o Metro e os autocarros. Detesto dar explicações sobre o facto de ter os olhos vermelhos, a face inchada, o semblante carregado. E por isso choro ao pé dos anónimos, daqueles que, travados pelas regras da conveniência, naturalmente não me vão perguntar "porque raio estás tu a chorar". Sinto que, às vezes, um ou outro gostariam de saber o porquê das lágrimas, ou então limitam-se a achar que sou louca. Não me importo. Sou uma choradora anónima dos transportes públicos. E isso ninguém me pode tirar. A não ser que venha o senhor que confere o bom funcionamento dos títulos de transporte e me expulse do seu autocarro/carruagem, por eu estar a deprimir os senhores que vão para os seus trabalhos (também eles já deprimidos, só que não choram). Será que existe alguma cláusula que proíba o choro nos tranportes públicos? Isto porque, pelo menos nas linhas de comboio italianas, havia proibições para todos os gostos e feitios. Não se podia jogar a dinheiro, não se podia debruçar uma certa percentagem do corpo que desconheço sobre a janela, não se podia cuspir nas carruagens, bla bla bla. Entretanto, alguém dos transportes públicos portugueses pode ter-se lembrado de criar uma qualquer cláusula irrisória que proíba pessoas como eu de expressarem as suas angustias publicamente. Se esse dia chegar, será o meu fim.

Já quando era miúda, tinha o infeliz azar de acordar de almofada enxarcada e em pânico, porque pensava sempre que me perdia da minha mãe, ou que ela morria. Outras vezes ainda, o que era mais grave, deitava-me e desatava a chorar desalmadamente pelos mesmos motivos. Talvez por nunca ter conhecido o meu pai, tivesse este pânico de perder a minha progenitora, o meu único elo sanguíneo parental. Estupidamente, confirmaram-se os meus piores receios de adolescente chorosa e ela acabou mesmo por me deixar.

Hoje apetecia-me mesmo chorar por causa disso.

Da indecisão de uma ida ao cinema - Parte II



Verdade seja dita, Censurado não prima pela técnica. Mas o filme não deixa de merecer um olhar atento por isso. Até porque me levou às lágrimas. De Palma deixa-nos com uma ideia de um exército americano obeso, inibido de pensar, qual robot que cumpre aquilo para que foi programado. Algumas das personagens podem mesmo dizer-se fascistas, não no sentido lato do conceito, mas quando o imperativo é chegar ao Iraque e kick some ass à bruta. O que, em "americano", significa despachar tantos Hajji quanto possível.

A cena da violação obrigou-me a desviar o olhar, pela crueza e pelo facto de saber que há um fundo verídico por detrás daquelas imagens. Não quero com isto dizer que todos os americanos são mercenários, sanguinários e violadores. Mas fica a ideia de que aqueles soldados, ao fim de umas quantas missões, perdem a noção do sentido de dever, da obrigação moral que os levou ali.



Fiquei, enquanto espectadora, dividida sobre o que deve prevalecer, a visão individual ou colectiva da coisa. Isto é, cada soldado, enquanto indivíduo, está ao serviço da política externa imperialista norte-americana, e quanto a isso, nada a fazer. É o colectivo que dá pelo nome de exército. Mas são as acções pessoais de cada indivíduo, como a violação retratada no filme, que somadas num todo, fazem a guerra que ali se vive todos os dias, a guerra que fica para a história arquivada em tribunais marciais impotentes. Nada de novo há a registar neste tipo de comportamentos, que tanta projecção tiveram em conflitos passados, como foi o caso do Vietname.

É sem dúvida difícil tomar uma posição concreta face a este conflito. Condeno a invasão americana, que naturalmente enquanto única potência mundial no momento, não podia deixar passar uma imagem de impotência e inacção após os ataques do 11 de Setembro. Caído por terra o argumento das armas de destruição massiça, fala-se então da implementação de um Estado democrático. Que teima em aparecer. Enquanto isso, perdem-se vidas de ambos os lados. Vidas civis e militares, americanas e iraquianas.

O filme termina com uma série de imagens reais dos efeitos colaterais da guerra. Aí o corpo torna-se demasiado pequeno para conter as lágrimas, o corpo aperta-se contra a cadeira e no vazio da sala só se ouve o eco do coração, que bate desenfreado, à medida que mais e mais crianças desfilam mortas perante a impotência do meu olhar ocidental.



Não queria dar uma visão simplista e redutora dos factos, mas penso que é claro aos olhos de qualquer um que os Estados Unidos já revelaram, em igual medida, tanto o seu poderio militar, como a incapacidade para ter mão numa situação que está fora de controle. Resta aguardar pelo que reserva o futuro. Impotente.

22/01/2008

Da indecisão de uma ida ao cinema

Tenho a dizer que estou um bocado chateada. Bastante, até. Quero ir ver o novo filme do Brian de Palma esta noite e, como boa tesa que sou (sim, não posso andar para aí a gastar dinheiro à parva em filmes com má crítica!), fiz a minha pesquisa pré-ida-ao-cinema-onde-vou-gastar-quase-seis-euros-para-ficar-com-o-cú-quadrado.

E acontece que as críticas que li ao filme, Censurado de seu nome, são de extremos. Não obstante o facto de De Palma ter ganho o prémio de melhor realizador no Festival de Veneza, há que chame à obra o melhor filme do ano, enquanto outros acham que uma deslocação à sala de cinema será dinheiro mal gasto. As poucas críticas positivas que encontrei são algo emotivas. Parece que há violações de adolescentes e corpos estropiados pelo meio, ou não versasse o filme sobre a ocupação americana no Iraque. E isso parece ter induzido a algum sentimentalismo nos comentários de quem viu o filme, o que retira qualquer sombra de isenção aos mesmos. Mas as críticas más que li... ui, é que eram mesmo más, daquelas mesmo a doer, só para achicalhar, mesmo muito muito ruins!

Moral da história: fiquei ainda mais indecida sobre onde gastar o meu precioso (e pouco) dinheiro. Porra!

Saudade



Há palavras que nos fazem pensar e olhar lá para dentro, ver coisas que tendencialmente escondemos lá no fundo. Li hoje alguém que se interrogava sobre o antónimo de paixão. E que, como sabemos, não existe. Ou se está, ou não se está, como dizia essa mesma pessoa.

A mim, é a saudade que me deixa a pensar. Por ser um vocábulo exclusivo da língua portuguesa (vá, em crioulo eles têm o sodade, mas não conta), por também não ter antónimo, e por doer quando se sente. A paixão também pode doer quando se sente. Mas só se for rejeitada, se for devolvida ao remetente, como aquela correspondência cujo destinatário faleceu ou mudou de endereço. Mas a saudade não a podemos devolver a ninguém, não posso nem consigo deixar de a sentir. A paixão, posso senti-la por outrém, se a pessoa a quem a dirijo não a quiser. Mas a saudade... não posso dirigi-la a mais ninguém que não a pessoa que ma deixou quando partiu. Tenho que esperar que ela deixei de doer. Quando ela aperta mesmo muito o coração, enrosco-me a um cantinho e deixo-me ficar assim, shhhhttt.... baixinho, em silêncio, sem réstia de ruído, à espera que a saudade passe, que não dê conta que eu lá estou. E ela vai e vem como uma tempestade, quando passa é devastadora, mas quando parte... Deixa um rasto de lágrimas que o rosto teima em secar, deixa um coração pequeno e apertado.

A paixão, se bem que não tão dolorosa, também tem que se lhe diga. Tenho uma amiga que diz que chega a apaixonar-se 3 e 4 vezes por noite. Por alguma palavra, gesto ou sorriso de alguém que lhe capta a atenção. Essas paixões fugazes são um combustível insubstituível à vida. Agora que penso nisso, às vezes também me apaixono e nem dou conta. Fico ali, embevecida, a ouvir alguém falar, as palavras soam a música, uma música que enebria. Um copo de vinho, uma conversa, um cigarro. Rastilhos para uma paixão que pode durar alguns segundos, uma noite, ou toda a vida.

Mas a paixão, se não a quiseres, posso sempre endereçá-la a quem a mereça. Já a saudade. Tem remetente único, vai registada e tem aviso de recepção. E nem adianta o carteiro perder a correspondência, ou enganar-se no número da porta.
A carta da saudade sabe bem qual a porta onde bater.

21/01/2008

Eu armada em cientista

No sábado último, decidi passar uma tarde comigo mesma. Sendo poucas as sugestões interessantes em aberto, dediquei então a tarde à ciência. Enchi-me de empirismo e lá fui eu em direcção à Baixa, qual Newton de trazer por casa, tentar perceber quanto tempo aguentaria eu as lojas cheias de gente por causa dos saldos.
Seguindo então os princípios básicos do empirismo, fui observar o mundo, e deixei em casa a intuição e a fé - assim manda a arte de bem investigar, segundo o método empírico.

Estava a correr tudo muito bem nos primeiros 5 minutos, altura em que a minha percepção se deixou alterar por algumas subtâncias pouco católicas que deixaram pouco isenta a minha visão dos factos. Para além de ter começado a chocar nos transeuntes a torto e a direito, não sei como é que consegui ficar durante cerca de 30 minutos numa fila da Zara para experimentar a porcaria de umas Stretch que nem sequer me serviam (porcaria de pernas!). Cerejinha no topo do bolo, comprei uma mala pensando que era preta, e eis senão quando chego a casa e me deparo com um cinzento que só consigo descrever como sendo espacial. Isto para não falar da sede e fome descomunais que me levaram ao McDonalds, onde devorei um menu, reforçado por um Sundae. E vá lá!, não me ter esquecido de voltar atrás para ir buscar o Sundae, tal era a minha vontade de desaparecer dali.

Outra das partes negras deste passeio surreal de Sábado à tarde foi que tive a ilusão de ver poesia em tudo o que era sítio. Mas poesia daquela negra. A culpa foi do Neon Bible. O raio do disco é um soco no estômago quando se está com o sangue adulterado e só se veêm mendigos por toda a parte. Olhei aquelas pessoas que me estendiam a mão e só me apetecia chorar, gritar, tirá-las dali. Volto a afirmar, a culpa foi dos Arcade. Porra, raio de disco mais intenso!

Moral da história: se forem às compras sozinhos/as, não levem Arcade Fire, evitem os pedintes e, mais importante de tudo: NÃO FUMEM!

18/01/2008

Próteses, Macacos e Shakira

Ele há coisas do camandro. Antes de mais, convém aqui explicar que há em mim uma vontade indecifrável de iniciar muitas das coisas que escrevo com a expressão "ele há coisas do camandro". Não me perguntem porquê, talvez seja este quê de mulher do Oeste que há em mim. Às vezes também me apetecia dar uma de Saramago e escrever sem atender às regras que ditam o bom português. Sei lá, para não ter que ser tudo direitinho, que lá nisso eu sou perfeccionista - apesar de ser ostracizada lá em casa por dizer as palavras molhos e fome com uma pronúncia esquisita.
Este post só se safou à sorte de ter o título "ele há coisas do camandro" porque achei que "próteses, macacos e shakira" era bem mais prosaico.

Passando agora ao que interessa e ao real motivo que hoje me trouxe até aqui, ia eu a contar umas peripécias da minha ida de autocarro para casa . Ora, há uma senhora, dos seus 20 e muitos anos que costuma vir comigo no 48. A senhora tem uma prótese na perna esquerda e a prótese não dobra, é rígida. O que a obriga sentar-se sempre do lado direito do autocarro. O que é bastante irritante e limitativo. Tinha vindo a nutrir uma espécie de ternura pela senhora, pelo facto de ela usar a prótese. Não que fosse um sentimento de pena nem que a achasse uma coitadinha, mas mais um sentir-me solidária com a condição da senhora. Às vezes apetecia-me que ela se sentasse ao meu lado e falasse comigo.

Mas ontem tudo isso acabou.

A senhora estava distraidamente a tirar macacos do nariz, sim, aqueles moncos mesmo grandes que se enfiam debaixo das unhas (e podem desde já parar com esse esgar de nojo, que eu bem sei que vocês também o fazem às escondidas). E como é uma chatice ficar com os pobres dos moncos por debaixo das unhas, a senhora começou por retirá-los habilmente com a esquina do folheto da Worten. Daqueles folhetos sobre os preços e as promoções que os senhores chatos da publicidade deixam nas nossas caixas de correio.
E tudo isto pode parecer, numa primeira análise, bastante simples, mas não é! Coloca dois sérios problemas. O primeiro é que chegou ao fim aquilo que poderia ter sido o início de uma bela amizade de autocarro entre mim e a senhora. O segundo é que a pessoa que a seguir tenha pegado no folhetozinho da Worten, muito provavelmente, tipo 99% de hipóteses, ficou com os moncos agarrados às mãos. Pfff, não quero nem pensar nisso. Pobre pessoa anónima que pegou no folheto, fique desde já a pensar que o meu pensamento está consigo, como imagino a sua dor quando viu os moncozinhos colados nas suas mãos.

Bom, e agora que já vos deixei suficientemente enojados, e que vocês já nem se lembram do título do post, deveriam então perguntar "e a Shakira?". Mas eu não me esqueci dela. Isto porque a meio da viagem, tive também o azar de ficar sem pilhas no MP3 (sim, porque sou tão tesa que não consigo ter um IPod daqueles que se carregam no PC; aliás, o MP3 nem sequer é meu, é emprestado!). Vi-me por isso obrigada a levar com as selecções musicais duvidosas das pessoas com que partilho o autocarro. E logo atrás da senhora da prótese, estava um senhor que gosta de parecer rockabilly. Mas aquilo é só farsa, que ele de rockabilly tem pouco. No fundo, ele tenta parecê-lo, mas de maneira tão manhosa que aquilo resulta num estilo que de suburbano tem muito e rockabilly tem pouco. Isto tudo para dizer que, por trás daquela fachada do rockabilly, o senhor estava a ouvir (e agora choquem-se) o raio de uma balada da Shakira! Daquelas que quando dão na rádio, toda a gente muda de estação (espero eu), porque senão vêm-me à cabeça imagens da Shakira em miúda, só com uma sobrancelha e cabelo à Dulce Pontes anos 80, mas em preto, acabada de sair de Barranquilla para Bogotá, na senda do estrelato.

Espero que tenham gostado da viagem.

17/01/2008

Um momento a registar na minha ainda pequena história da blogosfera: o amigo Anónimo Juvenal decidiu sair da sombra dos comentários que me fazia e tem o seu próprio espaço.

Podem ler as estórias e desventuras do próprio em

www.anonimojuvenal.blogspot.com

Bem vindo!****
Estou muito preocupada. Hoje acordei sem ponta de inspiração. São 15h05 da tarde e ainda não me ocorreu nada de brilhante. Nem a mais ligeira sombra de depressão que me levasse a lamentar a minha triste sorte. Nem uma ponta de ironia que permitisse um comentariozinho acutilante sobre qualquer coisa digna de reparo. E convém sublinhar que, no que toca a ironia, não me posso queixar, que tenho para dar e vender.

oh meu deus. Estará o meu blog condenado à extinção?

Estou a panicar!

16/01/2008

Eu sou tipo o Chuck Norris e o Steven Seagal

Sou uma gaja que gosta de correr riscos (sim, apeteceu-me mesmo escrever gaja, em vez de miúda, mulher ou outro vocábulo mais correcto). Sou uma gaja que gosta de entrar em casas de banho públicas e abrir as calças ainda antes de trancar a porta. Há sempre o risco de entrar alguma outra gaja desenfreada.

Gosto de chegar mesmo em cima da hora ao autocarro. Há sempre o risco do senhor motorista não esperar por mim (e aí estou lixada, chego atrasada ao trabalho).

Gosto de viajar de taxi com 5€ no bolso. Muito provavelmente, há o risco do dinheiro não chegar.

Gosto de deixar objectos na beira da mobília. Há sempre o risco de eles caírem, nunca se sabe.

Gosto de estender roupa na rua quando o céu está cinzento. Há sempre o risco de chover e a roupa demorar uma semana a secar e ainda fica a cheirar a mofo.

Gosto de deixar a comida fora do frigorífico. Há sempre um risco valente dela se estragar.

Gosto de andar com o carro na reserva (aqui, convém ser honesta, não é tanto por gostar, mas mais por ser tesa). Há sempre o risco de ficar sem gasolina a qualquer momento.





Porra, sou mesmo maluca, farto-me de correr riscos.


Ao longo dos anos, vamos dando forma às amizades. Criando laços, bonding, como dizem na beloved América. Pensamos que as pessoas gostam de nós por aquilo que somos, pelo tempo que é passado em conjunto, pelas coisas boas (e também as más) que são partilhadas.
A ingenuidade fez-me crer que esse facto era uma espécie de dogma, um dado adquirido e inquestionável. Mas é curioso perceber que quando certos critérios que não a maneira de ser interferem na escolha das amizades. Quando se deixa de cumprir certos requisitos para fazer parte de um círculo de amizades.

Sentir isso na pele tem que se lhe diga. Por motivos vários, deixei de prestar um certo companheirismo e retraí-me, fiquei mais em casa... Não porque o quisesse, mas porque a isso fui de algum modo forçada.

Não demorou muito para que muitas dessas "amizades" perdessem o direito a serem escritas sem ser entre aspas. Porquê? Também eu gostava de saber. Eu continuo a mesma, só deixei de ser tão boémia e bon vivant.
Como diz o outro, "a burra sou eu". Ainda acreditava que as amizades podiam ser isentas e imunes às vicissitudes da vida. Pois é, algum dia tem que se deixar de acreditar no Pai Natal e no coelhinho da Páscoa. Hoje é o meu dia.

E o bonding perdeu força. Whatever... Vou-me dedicar ao bondage!

(Hoje estou muito dada aos estrangeirismos)

15/01/2008

Mas porque é que isto não me espanta

Ele há verdades do camandro!

Eighties Ladies...

Ele há coisas do catano. Se há coisa que gosto de ver na rua, são pessoas que ficaram retidas nos anos 80. Sim, na maravilhosa década de 80. Proliferam os vermelhos e os roxos, os penteados a lembrar uma tal de Adelaide Ferreira, de rabo-de-cavalo em riste, as licras e as gangas que ultrapassam o limite daquilo que no séc. XXI se pode considerar uma cintura.
Lá em casa, desde a leitura da última Blitz, tem feito sucesso uma frase dita pelo - também ele muito eighties - David Fonseca. Diz o ilustre que não há nada melhor do que uma estrela dos anos 80 em final de carreira. Genial, tiro o chapéu ao David. Aliás, ele aponta como expoente máximo de tal afirmação o seu homónimo, o homem, a lenda, o mito... (Tambooooores):DAVID HASSELHOFF! Pouca gente encarnará tão bem tal afirmação.

Isto tudo para dizer que adoro encontrar por aí essas pessoas que, persistentes ou ingénuas, vá-se lá saber, persistem em ficar retidas nessa fantástica década. Ok, eu gosto da música da época, sou habitué das festas revivalistas e tudo o mais. Agora, o vestuário? Por favor, senhoras, desfrizem os cabelos, desatem esses rabos-de-cavalo oxigenados, deixem as calças de cintura subida em casa, substituam os vermelhos e esses padrões e estampados florais e outras pérolas por cores mais neutras. Por favor!

Ou então não... mantenham-se assim, o que torna mais divertido andar pelas ruas e encontrar-vos!

14/01/2008

Era um café COM AÇÚCAR por favor... A-Ç-Ú-C-A-R!

Das raríssimas vezes em que tomo café na rua, já me aconteceu por várias vezes perguntarem-me se quero adoçante. Nunca me perguntam se quero uma massagem, ou um cafoné. Só a porcaria do adoçante. Das duas uma: ou tenho cara de diabética, ou ar de quem quer emagrecer.

Também nunca me oferecem água. Na Áustria, a conversa é outra. Trazem logo um copinho de água minúsculo, para compensar a desidratação provocada pelo café - dizem eles!

Por isso, a ver se nos entendemos. Parem de me oferecer adoçantes, que eu não estou a fazer dieta, e dêem-me água!

Alguém sabe o número do meu dentista?

O estado de embriaguez pode conduzir a situações bastante chatas. Nomeadamente quando, nesse estado, começo a fazer um filtro de um qualquer papel encontrado na carteira. Hoje quis ligar para o dentista, mas o cartão estava rasgado e já não tinha o número...

Vá lá, não ter sido o contribuinte. É que ainda tenho daqueles antigos, de cartão.

Romanos vs. Romenos

A Comuna de Roma parece ter esquecido o que são direitos humanos e coisas menos boas que ficaram na história pelos piores motivos, como o Apartheid. Foi aprovada uma resolução camarária segundo a qual as crianças ciganas (essencialmente romenas, entenda-se) serão transportadas "à parte" nos autocarros escolares.

A esquerda e a direita parecem-me algo incoerentes nesta decisão, pois contra o que seria de esperar, foi a esquerda a propor e a aprovar a moção, ao passo que a direita se opõs.

Esquerdas e direitas à parte, o que mais me escandaliza é que na Europa se tolere esta segregação racial consentida, num país cujo papel na II Grande Guerra foi o que todos nós conhecemos e, para ajudar à festa, país onde está a Casa-Mãe da Igreja Católica.
Ok, eu vivi lá, e nem sempre foi fácil lidar com os emigrantes romenos, principalmente por causa dos assaltos. Desde tenra idade que as crianças se dedicam a essa actividade tão lúdica e educativa que é assaltar os turistas. E eu não fui excepção. Com uma directa em cima e a ressaca já a corroer-me o corpo, estava eu em estado catatónico na estação de Trastevere quando sinto a mala ser puxada. Viro-me para trás e qual não é o meu espanto quando vejo um pigmeu romeno que não chegaria aos 150 centímetros, todo lançadinho para me fisgar a mala. Em bom português, mandei-lhe uns quatro berros que ele concerteza não entendeu e ainda arrisquei dar-lhe um bofetada, tal era a minha irritação. Já não bastavam a directa e a ressaca, quanto mais ser assaltada! Nesse mesmo dia, também o meu amigo E. foi alvo de uma tentativa, cerca de 20 minutos mais tarde, à entrada do Tram. Sim, foi desagradável. Eles mendigam e pedem por toda a cidade, só aceitam dinheiro e ainda nos querem bater quando lhes oferecemos comida (sim, fui perseguida por uma mendiga louca que me quis bater quando lhe ofereci uma pizza).

Mas daí, a permitirem este tipo de separação entre CRIANÇAS?! Fico curiosa sobre como irão os pais romanos explicar esta separação aos seus filhos, e no que se irão tornar estes miúdos romenos quando chegarem a adultos, se desde cedo a sociedade em que vivem os excluí publicamente, para regozijo da cidade e dos encarregados de educação...

Parece que não chegou o Holocausto para que a Europa entendesse que a integração é a resposta, não a exclusão.

#Foto: Gipsy Children, de Bob Webzell

13/01/2008

La notte a San Marino

Há pessoas, locais e acções que me fazem lembrar outros locais. Ontem pensei em San Marino. Não é propriamente um dos locais mais bonitos de Itália, à parte todo o seu significado histórico no contexto do país.

Mas pensei em San Marino... Obssessivamente. Enquanto procurava projectar a mente para um outro local que não aquele onde me encontrava.

Como num poema que às vezes humilha e obriga a ir ao dicionário, senti-me perante um graffiti que não entendo, que me obriga a desconstruir ideias pré-concebidas, a afastar-me e a entender o que há para lá da tinta.



Sou naif nestas lides da arte urbana. Em San Marino, tudo é tão mais fácil... Pedras, castelos e história por todo o lado. Mais fácil de entender.

Quando se quer ficar na escuridão, não presenciar os acontecimentos, quando a luz do dia clarifica e assusta, quando corta o que justifica o momento, quando Arcade Fire são a banda sonora ideal para tudo o que acontece... Tudo seria tão mais fácil se estivesse em San Marino.

Quero afastar a cabeça. Deitá-la num qualquer ombro e acordar em San Marino.

11/01/2008

Longínquo Século XX...

Ontem apercebi-me que estamos em 2008. DOIS MIL E OITO. Números demasiado redondos, que me fazem sentir extremamente quadrada.

Ainda ontem foi dia 31 de Dezembro de 1999. Peguei na mão de A. e juntas corremos para o Milénio, que na altura parecia tão promissor, cheio de coisas brilhantes que nos iam acontecer. "Mergulhar" no milénio com uma corrida era uma das poucas coisas que podíamos fazer com 14 anos - até porque a tenra idade não permitia grandes deslocações a discotecas e muito menos uma bebedeira digna desse nome.

Nesse mesmo ano, fiz o meu primeiro pacto com A. e I.. Prometemos o segredo da nossa virgindade umas às outras. Segredos que jamais partilharíamos com as nossas mães/pais, confidências que só tinham lugar nas conversas entre amigas. Amigas para toda a vida. Sangrámos os dedos e selámos o pacto com anéis de prata, gravados com promessas de amizade eterna.

Os anéis perderam-se com os anos, e com as promessas não foi muito diferente. No cadastro de I. consta uma passagem pelo Júlio de Matos. Diagnóstico: esquizofrenia. Algumas companhias sobrevalorizadas e outros tantos estupefacientes subestimados conduziram I. ao farrapo humano que fui encontrar no Hospital. Do mal o menos, tal estado clínico não foi definitivo e encontra-se hoje "remediado", digamos. Perdido o contacto com I., ficam muitas memórias boas, outras nem tanto...

O percurso de A. não terá sido tão dramático. Um secundário inacabado, algumas depressões e anemias pelo meio e uma relação algo obsessiva-compulsiva com a família. Os laços que partilhámos perderam força ao longo dos anos. A minha vinda para a faculdade acabou por forçar um afastamento algo inevitável, precipitado pelo carácter peculiar de A..

São incontáveis as confidências, segredos, fugas, aventuras e partilhadas.

Os cigarros fumados (e, mais do que isso, tossidos) às escondidas, algures no meio de umas ruínas locais.

As noites de mudança da hora, que sempre serviam para mais uma hora fora da alçada paternal e passada à descoberta de qualquer novo shot.

Aquela vez em que arrombámos os autocarros da rodoviária e os fizemos de abrigo para mais umas juras de amor e amassos juvenis com os primeiros namorados.

Ou quando entrávamos furtivamente na escola primária para ficar a falar com esses nossos apaixonados, numa altura em que o telemóvel ainda era um mito (custa a acreditar que esse tempo existiu!) e namorar por telefone ao pé dos avós também não era muito viável.

Descritas as comparsas, fico a imaginar que ideia farão elas da minha personagem. O que escreveriam, se este fosse o post e o blog delas.

Tenho saudades desse tempo.
Quero voltar ao século passado!

10/01/2008

Quero um Freud na minha vida!

Esta noite tive insónias. Acordei de manhã com a cabeça a parecer uma daquelas letras do Tiago Bettencourt. Incompreensíveis, mas lá no fundo fazem algum sentido.

Andamos em voltas rectas
Na mesma esfera
Onde ao menos nos vemos
Porque o fumo passou

Voltas e reviravoltas e só conseguia pensar em máquinas de café, em cápsulas de café, em coisas e mais coisas que envolvam café.
Queria perguntar-lhe, que dormia ali ao meu lado, qual era o modelo da máquina dele. Sim, parece ridículo. Também a mim me pareceu. Pensamentos inócuos e descabidos que por vezes me deixam a pensar duas vezes... Estarei a ensandecer?

A chuva no chão revela
Os olhos por trás
Há que levar o restolho
Do que o tempo queimou

A morte e a dor são também temas recorrentes das minhas deambulações nocturnas. Morrem os vizinhos sem motivo aparente, magoam-se amigos em objectos cortantes, entre outros horrores do género. Sinto-me culpada por espalhar tamanhas desgraças, mesmo que seja num mundo de sonhos/pesadelos que é só meu.

Tens fios de mais
A prender-te as cordas
Mas podes vir amanhã
Acreditar no mesmo deus

Sentido? Não faz nenhum. . .
Tens riscos de mais
A estragar-me o quadro.
Se queres vir amanhã
Acreditar no mesmo deus


#Key to Dreams, Rene Magritte

09/01/2008

Sexo e outras perversidades


O Patrick Dempsey, o fuckin' sexy McDreamy de Anatomia de Grey, entrou num filme de bolinha vermelha chamado Something about Sex, o que em português foi traduzido em qualquer coisa como Sexo e outras Perversidades. Nem sequer vi o filme, apenas o título e a bolinha. Podem calcular a ideia com que fiquei do filme... Imaginei o McDreamy em posições pouco católicas, encavalitado numa qualquer senhora também ela pouco ortodoxa, seios dignos de capa da Playboy e muita música erótica espanhola à mistura.
Mas afinal o Dempsey não me desiludiu, e o filme não passa afinal de (e passo a citar): "Uma irónica e mordaz comédia sobre as atribulações de três jovens casais, que é uma divertida reflexão sobre as dificuldades da monogamia nos nossos dias." São palavras da RTP. E eu acredito.
No entanto, interrogo-me: em vez da greve de argumentistas nos Estados Unidos, não deveria haver uma greve de tradutores em Portugal? Pelo menos, teríamos acesso aos títulos originais e não a estas insanidades que por aí se publicam.
Fica a sugestão.

La vie sexuelle des autres (6) -Versão Gay-


Vou construir um bunker para me proteger dos terroristas

A propósito das ameaças de atentado na Mauritânia e consequente cancelamento do Dakar, muita tinta correu.E eis que hoje encontro um comentário de um cidadão preocupado e atento, no jornal Metro. Sim, um daqueles jornaizinhos de distribuiçãogratuita que, entre outras pérolas e notícias da maior pertinência, dão voz às maiores barbaridades que cidadão comumse lembre de escrever. E então dizia o senhor que, dada a proximidade geográfica entre Portugal e o Magrebe,que tais ameaças seriam concerteza um sinal de que também Portugal seria alvo de tais ameaças e consequentesataques. Como se não bastasse este síndrome de exímio conhecedor do espectro geopolítico em que hoje vivemos,o senhor demonstra ainda a maior das preocupações pelo facto de hoje vivermos aterrorizados pelo medoe paralizados por este tipo de ameaças. O que muito me espanta quando ele, qual Velho do Restelo alarmista,fala na eminência de sermos atacados!Desde que aquele senhor do Porto foi detido por ser suspeito de conspirar sob o auspício de Alá, qual intifada tripeira, eu já acredito em tudo! Não tarda nada, começa a caça às bruxas ali para os lados da Mesquita de Campolide e no Martim Moniz,esquecem-se os valores democráticos e é vê-los a arder na fogueira agarrados ao Corão. Isto se se der crédito a senhores como o do comentário revisto.
Livre-nos Deus e Alá!

08/01/2008

"Perdoa-me, meu amor"


Nunca entendi esse estranho fétiche mascarado de fascínio, que as mulheres têm em receber flores. Ou eu sou mesmo geek (cada vez mais me convenço disso), ou então não mereço existir neste mundo onde as mulheres babam por flores. Não sou digna de ser mulher. Será que me devo preocupar? Será que os homens vão achar que sou frívola, anormal mesmo?! E as mulheres, achar-me-ão desprezível?


Idas às meninas ali para os lados da Conde Redondo, restos de batôn por explicar, perfumes desconhecidos na roupa que se mete na máquina para lavar, um atraso para o jantar de 2 meses e meio de namoro, um esquecimento do aniversário da sogra.... Enfim, qualquer que seja a artimanha do trapaceiro ditocujo, é vê-lo chegar com o belo do ramo e lá ela derrete, desmaia, tremelica, ansiosa por subir ao 1º andar, enfiar-se com ele debaixo dos lençóis e vá de fazer render o esmero da florista. Confesso que me ultrapassa este cliché que tanto vende por esse mundo fora, induzido por um romantismo hollywoodesco barato que desprezo.


Felizmente, o meu ditocujo nunca foi muito dado a esses preciosismos da arte de bem namorar. Simples e directo, como eu gosto, olha-me fundo com os olhos cor de mar que tem e fala, fala, fala... fala-me só com o olhar, que eu cá não preciso de rosas vermelhas para me render.

Em 6 anos que o conheço, ter-me-á dado um ramo talvez uma vez, por ocasião de algum aniversário, em que fiz desde logo questão de lhe falar deste meu particularismo.


Abaixo os ramos de flores e as caixas de chocolate baratas de estação de serviço!

A "soquete" (ler com sotaque) do Natal

As palavras não são minhas. E também não partilho da opinião do José Diogo Quintela sobre a utilidade das meias. Mas como nem todos vão ler o Público, achei que um texto desta riqueza e pertinência não poderia passar em branco. Fica então o dito:

"A meia do calcanhar de Aquiles

No outro dia, ao ver o Tróia reparei que se o Aquiles tivesse um bom par de peúgas, nada daquilo acontecia. Eu sei que peúgas com sandálias é muito inestético, mas se calhar a seta não aleijava tanto.Isso fez-me chegar à conclusão que os presentes que recebi este Natal não me agradaram. Na medida em que nenhum deles era um par de meias. Sim, um fim-de-semana em Paris é simpático. A sexta série do 24 é gira. Mas eu gosto mesmo é de receber meias no Natal. Não há melhor do que um par de peúgas apetitosamente embrulhadas. É um presente útil. Um fim-de-semana, lá está, dura um fim-de-semana. A série 24, lá está, dura um dia. As meias duram para sempre. Eu uso meias todos os dias. Para aquecer, quando faz frio. Para manter seco, quando faz calor. Para enchumaçar, quando coloco nas cuecas a fingir que sou mais do que aparento.E, se não mas oferecerem, esqueço-me de as comprar. As pessoas queixam-se muito das meias que recebem no Natal. Desdenham quem dá meias. Acham desenxabido. As pessoas são parvas.Oferecer meias é um acto de humildade. É uma admissão de ignorância. Quem oferece meias sabe que nada sabe sobre os gostos de quem recebe. Um par de meias é um presente socrático.Por outro lado, há quem julgue que conhece o gosto dos outros e se arrogue o direito de indicar que presente é que é adequado para determinada pessoa. "Para o Rogério, uma t-shirt com manga cava muito gira, que comprei no Brasil." Mesmo que o Rogério seja um badocha que vai ficar todo assado no sovaco. É um presente sofista, porque aldrabão. Tenta-se convencer alguém que o que se comprou é perfeito para ele.As meias são, no vestuário, o que o porco é na alimentação, na medida em que se aproveita tudo. (E não na medida em que são ambos transmissores de lombrigas). Uma meia, quando enfiada numa mão, é um fantoche. Três meias, enfiadas numa mão, um fantoche gordo. Quando enfiada na cabeça, é disfarce para um crime. Quando tem um sabonete lá dentro, é uma arma. Quando tem berlindes, outra arma. Quando não há mais nada, é a maneira de atar alguém à cama, numa relação fetichista. Gostava de ver alguém fazer qualquer uma destas coisas com uma t-shirt de mangas cavas.Há um preconceito contra as meias. Isso vê-se no cliché que diz que não se deve fazer amor com elas vestidas. Não percebo porquê. Tirando aqueles casos em que estar de meias prejudica a performance, ao impedir a aderência necessária, não vejo razões para as tirar. As mulheres têm destas regras draconianas (e parvas) em relação ao sexo.A não ser que me consigam convencer de que o Rogério, todo nu, assado nos refegos, com manga cava e meias, é um tipo repugnante, mas que se tirar as meias passa a atraente."

03/01/2008

Tabaco e afins...

Portugal deu um passo rumo à civilização: é finalmente proibido fumar em edifícios fechados. E no dia seguinte à entrada em vigor da Lei, foi possível ler a nossa pequenez nos Media,ouvi-la na rádio, vê-la na TV. Louvou-se o "avanço" (atrasadíssimo!) em si?? Não, mas fez-se questão de mencionar que o Director da ASAE foi surpreendido a fumar na madrugada de dia 1 e que José Diogo Quintela foi apanhado com uma quantidade de álcool 3 vezes superior ao permitido por lei.

Não pude por isso deixar de ficar chocada, quando oiço na rádio o Director Geral de Saúde citar (quase) todos os parágrafos da nova lei, indignadíssimo com a atitude do Exmo. Sr. Director da ASAE. Eu compreendo, irrita a impunidade com que uns e outros cirandam para aí, escapando ao abraço amigo da Lei. Mas que a isso se dê tal destaque... fico perplexa! Pronto, o senhor fumou no Casino! Mas à mesma hora, cerca de 99,9% dos fumadores estavam concerteza a fumar em tudo o que era espaço público, digam o que disserem. E é só por isso que entendo o Sr. ASAE! Quanto ao Zé Diogo... vá lá, ele tem piada e tal...