30/05/2008

Éramos felizes e não sabíamos...

... imbuídos de uma plenitude que só a forçada inocência da idade podia permitir. Convencidos de o mundo seria fácil de conquistar. À distância de um mero telefone, de um mail, de um click. Convenci-me de que o regresso a casa seria o começar de uma fase inédita das nossas vidas, desejada anos a fio no meio das noites salgadas de lágrimas. E a inocência que me tolhia a visão da felicidade, era a mesma que cobria a realidade de uma crueza baça contra a qual eu nada podia fazer.

Mas havia sempre algo que faltava. Nunca estava tudo completo. Nunca está. E ninguém nos avisou que a felicidade era apenas aquela plenitude insatisfeita. Aquela sede do algo incompleto, do que faltava. Só o avançar dos dias, meses, anos, trouxe o discernimento sobre aquela felicidade que partilhámos. Nós os 3, finalmente só os 3, depois de uma longa espera de 13 anos. Hoje olho para trás e vejo que a felicidade era afinal tão simples, tão tangível. E sim, estava a uma distância muito pequena. Um telefonema chegava. Um prato quente de comida na mesa. A roupa impecavelmente engomada em cima da cama. O cheiro a café e torradas inesperadas pela manhã.

E depois, a morte. Para quem espera 13 anos pela felicidade, a morte é a antítese por excelência do ouro no fim do arco-íris. Arco-íris esse cujos tons acinzentadas faziam prever alguma cor, alguma recompensa por tão longa espera. Mas não. No fim do arco-íris estava a morte, o revés caprichoso da vida, o desfecho mais improvável.

Se hoje sou feliz? Não sei. Talvez sim. Talvez não. Muito provavelmente só o saberei daqui a um ou dois anos. E nessa altura, falamos.

6 comentários:

Vanessa disse...

este texto arrepiou-me completamente...

deixo um beijinho*

Vertigo disse...

Há os momentos felizes,que são instantes.cabe-nos a nós saboreá-los da melhor maneira que pudermos.depois,há os momentos menos felizes,tristes até,e também aí nos cabe a nós,conseguir dar a volta por cima,para continuarmos o caminho.de pé.sei que pode parecer cliché,mas eu aprendi que é assim.isto,depois de muita felicidade,e de muita angústia também.

Um beijinho

Estrelaminha disse...

boa noite!
desejo que encontres o caminho da felicidade.
este texto fez com que se repense a vida que se leva.
excelente!
bjs

Ema disse...

lindo, como sempre.


e sempre, adoro essa foto.

Tinta no Bolso disse...

porra para ti, pá! porra porra porra










Obrigado.

Tinta no Bolso disse...

gosto quando me batem