14/05/2008

O que têm em comum José Saramago, Fernando Meirelles e Gabriel Garcia Bernal?


Vão ser dos nomes mais falados desta noite, na abertura do Festival de Cinema de Cannes. Como se não bastasse o filme ser inspirado num dos meus livros favoritos, é tambem realizado pelo responsável por Cidade de Deus e O Fiel Jardineiro, obras que dispensam qualquer apresentação. E claro, a fechar com chave de ouro, Bernal. Não podia ser mais perfeito.

Espero apenas que não suceda o habitual neste tipo de adaptações, em que a tela fica muito aquém da página. Mas com o elenco e equipa em questão, acho difícil. Só espero que o filme faça referência explícita ao PORTUGUÊS Saramago, e que os espanhóis não venham em bicos de pés dizer que o Saramago isto e aqueloutro, que é mais espanhol que português, e que lhes cabem a eles os créditos do filme... - sim, reconheço que o Iberismo de Saramago é algo de dramaticamente exacerbado, mas isso não dá direito a nuestros hermanos de quereram ficar com ele!

Para saber mais sobre o filme, nada como consultar o blog de Meirelles sobre o mesmo.

P.S. - E não sejam preguiçosos, leiam o Ensaio sobre a Cegueira antes de verem o filme. Depois não digam que eu não avisei...

15 comentários:

RV disse...

engraçado, ontem pensei no mesmo

Maria del Sol disse...

Também estou muito curiosa com este filme. Tem feito correr muita tinta.

Uma observação ligeramente fora do contexto, mas que não consigo deixar de partilhar quando se fala de Saramago: porque raio confunde este homem iberismo com descaracterização? Um escritor que no texto domina o português ao ponto de ganhar um Nobel não deveria fazer intervenções públicas em que metade do vocabulário que usa é em espanhol.
E o pior é que quando se pôe a falar espanhol também não consegue evitar o naufrágio: o sotaque dele é miserável.
Já sei que nenhum dos factores anteriores questiona o talento literário dele, e esta observação também está muito condicionada pela minha educação bilígue, mas já que é de iberismo que falamos, é pena que não exista nele um pouco mais de coerência.

H4rdDrunk3r disse...

Tens toda a razão no que dizes, Maria, aliás, deves ter mais moral para falar sobre isso do que eu. E atenção, que eu nada tenho contra os espanhóis, mas irrita-me esta pirraça iberista do Saramago e o facto dos espanhóis o quererem adoptar! É um facto que ele nem sempre tem o reconhecimento que merecia em Portugal, mas porra, ele é português!

Stamp disse...

Vi trailer e acho muito bom. Para quem leu o livro o trailer fará mais sentido, penso eu. Devo dizer que não gosto por aí além do Saramago. Lembro-me bem quando disse isto numa aula do curso de estudos portugueses e quase que me bateram, mas é uma realidade. Para ser sincera preferia Lobo Antunes como prémio nobel, mas claro que não retiro talento à obra do Saramago. Quanto à sua 'espanholice' nem ligo muito sabem. Tenho a leve sensação que ele adoraria ser espanhol. O que chateia mesmo nele é a sua arrogância perante tudo e acho que isto já é muito...

Stamp disse...

Ah já agora li várias coisas do Saramago (só para não dizerem que falei sem conhecimento do senhor) pois...já estava aí tudo a escrever comentários a bater-me.

Ainda acerca do filme, acho que o Meirelles quando leu o livro ficou logo a querer adaptá-lo para filme, mas o interesse do escritor foi...vá zero. 10 anos depois mudou de ideias, só ficámos a ganhar com isso.

But i soon regret it disse...

O senhor Saramago é dos escritores mais sobrevalorizados de sempre. 10 segundos após pegar no livro do artista : seguro-me para não cair e chego a custo ao enjomim... Pode ser que o filme valorize a obra do nobel-que-não-foi-mais-do-que-um-obsceno-lobby-de-esquerda.

H4rdDrunk3r disse...

Geeezzzz, só blasfémias!! Mas vá, como este é um espaço onde impera a democracia, respeito a tua opinião


(e vocês até têm um ponto em comum: o ateísmo!)


Welcome, Mr. de Pádua

Jaime disse...

Bom post.
Eu li o "Ensaio sobre e Cegueira" e também é um dos livros que nunca esquecerei. Já agora: o "Fiel Jardineiro" é um livro que merece ser lido, do John Le Carré, um escritor também maior. Meirelles soube adaptar o Fiel Jardineiro com bastante ... fidelidade. Por isso, partilho em absoluto da expectativa!
Quanto ao Saramago e o o seu iberismo, não lhe ligo importância nenhuma.

Menphis disse...

Gosto de Saramago, mas ainda não li este livro, e é bem possível que o leia, mas só depois de ver este filme.

Quanto ao seu iberismo, se calhar até o compreendo um bocadinho, censuram-no em plena democracia, caramba. Se fosse comigo, mudava logo de nacionalidade. Mas isso é o meu espírito anti-patriota a funcionar :) .

curse of millhaven disse...

estou mt mt curiosa em ver!!

Rosa dos Ventos disse...

Tenho mesmo que o ler!
Obrigada...

Mr.T disse...

Saramago, Meirelles, Danny Glover, Bernal, Alice Braga, Ruffalo... Aposto numa obra prima adaptada de outra. Não tinha lido o livro até saber que o Meirelles ia realizar. Bom demais. Este vai ser um grande ano de cinema!

Abssinto disse...

A ler antes de ver. E euy ate tenho o livro aqui ao lado...

bj

Ema disse...

estou curiosíssima.

não garanto que o leia antes de o ver, mas vou tentar. ainda estou com o cérebro arrebatado pelo Ano da Morte.

pombamarela disse...

No mínimo espero um excelente filme, como já nos habituou o F.M., com uma história tão incrível e contemporânea coo esta obra de S.
Quanto à arrogência de que várias pessoas aqui os comentários acusam o Sr. S, tenho apenas a dizer que apesar de poder refutar quase tudo com conhecimentos sobre a vida e obra do autor, pq há 11 anos atrás fiz uma cadeira da literatura portuguesa contemporânea e o autor que escolhi para retratar foi o Sr. S., vou apenas referir outro grande Sr., Óscar Wilde: "O mundo é extraordinariamente tolerante. Perdoa tudo, menos o génio." Podem ler "As pequenas memórias" e tentar perceber porque é que ele tem todo o direito a ser como é.