03/03/2008

cinco de março de dois mil e sete

foi assim que ficámos no dia depois de amanhã

2 comentários:

Anónimo Juvenal disse...

Há algo que nunca te disse e que me incomoda. Um momento que ainda existe na minha cabeça e que me condena a sentir-me estúpido.
Quando uma noite qualquer nos encontrámos na praia, devíamos estar em finais de Março ou já em Abril, se não me falha a memória.
Fomos com mais alguns dos nossos compinchas até ao pontão junto à pousada "relaxar" um pouco.
A certa altura, já não sei por que razão, falaste-me do que tinha acontecido. Como praticamente não te conhecia, pensei que se tivesse passado anos antes do momento daquela conversa. Como fico algo atrapalhado quando confrontado com este tipo de assuntos, lembro-me de ter balbuciado qq coisa, e de logo de seguida ter mudado o assunto.
Algum tempo depois, tomei conhecimento de que tinha sido bem recente...senti-me estúpido...
Talvez até nem te lembres, mas desculpa ter quase que ignorado um possível pedido de desabafo. Não fiz por mal, sou eu que simplesmente não sei lidar com certo tipo de situações.
É algo que tou a trabalhar na minha nova personalidade efémera.=P


*

Ema disse...

o juvenal é tão sincero, tão claro, tão genuíno, que eu, em assuntos tão delicados, que me custam também tanto a encarar, fico sem saber o que dizer.