18/12/2007

Sad Christmas

Aquando do período vivido em Roma, a vida era uma roda viva. A casa foi partilhada com Portugal, Itália, Brasil e Estados Unidos, também amiúde frequentada por Nova Zelândia, Espanha, Suécia, Turquia, Berlim e tantos outros lugares que me estimulam a imaginação (e fértil que ela é...).

Hoje tudo isso parece tão distante, como se fazendo parte de uma vida que não vivi e que não foi a minha. Queria lá voltar, queria cair outra vez de bêbeda e comer panquecas com Nutella e ficar cheia de dores de barriga - sim, porque o chocolate e o álcool não vão juntos ao futebol.

Queria não ter que apanhar o mesmo autocarro e metro de 2ª a 6ª, onde circulam infinitos os mesmos rostos cabisbaixos e oprimidos pelo torpor dos dias, entrar pelas mesmas portas, dizer o mesmo 'Bom Dia' amarelo e mortiço.
Queria uma vida como ela já foi... Inesperada e imprevista.
Uma memória distante traz-me os dias em que a resposabilidade mor a cada dia era escolher um outfit para vestir, uma festa para ir, e quem levar como companhia. Tempos áureos, esses, cirandando por festas que não acabavam mais, quase cansativas de tantas que eram.

Hoje, os dias desfilam iguais, castradores, sufocantes, resumidos às idas semanais ao Minipreço (sim, com o cartão de descontos...), aos passeios de fim-de-semana pelo Oeste ou por Lisboa (nada mais deprimente do que um Domingo em Lisboa), à difícil tarefa de encontrar uma refeição que sirva de jantar e almoço sem enjoar...
Egoísmo? Ensimesmismo? Talvez, mas são os sentimentos que me devastam e consumem. E como se não bastassem tais estados de alma, o espírito natalício ainda entra ao barulho para desinquietar o meu já inquieto espírito (muito pouco natalício).

Fica o postal, luz altruísta de alguém que parece ter-se lembrado que o Natal não é essa época idílica.

Boas Festas

2 comentários:

Anónimo disse...

Pois é Claudiiiiii...só tu pa me fazeres ir procurar palavras no dicionário tas qual criança da primária...sinto-me um perfeito asno!...
Essa história de uma vida monótona e rotineira é infelizmente o prato de cada dia de qualquer pessoa que não seja do jet 7, músico ou artista rico e famoso. Mas também te digo que a culpa é de cada um de nós! Somos nós que nos deixamos absorver pela apatia e o tédio, não fazendo por vezes qualquer esforço para fazer algo novo! Há muita coisa a acontecer e muito para fazer! O mundo não dorme e cabe a cada um de nós saltar da cama ou sofá e ir simplesmente experimentar!
E não é isso que vais fazer lá no cu do mundo da Macedónia!?...;)

BJ*

planeta Claudiano disse...

Homónima: também te chamas Cláudia?? Estive pouco tempo em Roma, mas amei cada dia que lá passei. Tem muito a ver comigo. E sim, não há nada mais deprimente do que um domingo em Lisboa. Temos realmente coisas em comum. Será que nos conhecemos?