07/12/2007

Conversa de Circunstância


Odeio conversas de circunstância. Discorrer sobre o estado do tempo, as viajens que se fez e se pensa fazer, os amigos em comum.... Aborrece-me profundamente! Admiro a Paula por conseguir fazê-lo com uma mestria insuperável (leitores, a Paula é uma das adoráveis criaturas que vive comigo e que eu adoro. Digam todos "Oláaaa Paulaaaaa). A Paula nasceu a saber adaptar-se às pessoas com a mesma facilidade com que eu digo as minhas barbaridas, e é inimitável na sua arte da mesma maneira que eu sou na minha - modéstia à parte. E esse é um dos muitos motivos pelos quais adoro partilhar aquilo a que chamamos casa com ela - porque no fundo é um casulo amarelo e quente no qual me abrigo após um dia de provincianismo. Naqueles momentos em que recebemos toda a espécia de visitas lá em casa, não sou obrigada pelas regras do bem receber a "fazer sala" contrariada. A Paula salva-me sempre.
É que ela consegue ser naturalmente simpática, e eu inevitavelmente torno-me tão boring... Não tenho talento para sorrisos amarelos, e como sou pouco dada a sinismos, prefiro resumir-me à minha falta de paciência e remeter os convivas para a querida Paula.

PAULA, obrigada por existires na minha vida e no Rego. Um bem haja, o meu coração está contigo.

2 comentários:

a dona do blog disse...

também acho que ela tem um dom especial para fazer conversa, coisa que eu odeio fazer. ñ tenho jeito nenhum para a dita "sala"; gosto mais de fazer quarto, de fazer cozinha...:)

Ji disse...

Eu gosto mais de fazer o amor!!! Eu ao contrário da Sra. D. Paula, ando sem paciência e queres saber de uma coisa? A mim, basta-me ser educada! Como dizia o outro, "já conheço muita gente, não preciso de conhecer mais ninguem!"
E assim me despeço!
UM beijo na bochecha! Outro para a Pintas que se desdobra toda para me aturar e não é fácil!