31/12/2007

Memória


no sumo de maçã


na calçada de Carriche


no Epá


na A8


no Martim Moniz


nos cozinhados que me ensinaste


nas toalhas que me coseste


o "enxoval" que preparaste


no sorriso do mano


nas mães e filhas que passam na rua


na Leonor


nas gaivotas que passam quando estou no terraço


no Martim Moniz


na H&M


na praia, o teu último dia


da D.Natércia, na Srª Lena (que chora sempre)


nas paredes do Hospital


no eco da casa vazia


nos abraços que a Anita me dá


no anel de prata que esqueceste perdido em casa


Estás em todos esses lugares, pessoas, pedaços de abstracto. Estás em tantos sítios e no entanto estou vazia, procuro-te e não te encontro. Só lá dentro, baixinho, quando olho para dentro de mim e choro, porque sei que te encontrei mas que já não te posso abraçar.

3 comentários:

dona disse...

temos poema. obrigada por este momento de introspecção; quem te conhece sabe qual é o motivo, qual é o sentido, que não é o mesmo que o meu, mas que me pôs a olhar para dentro de mim e me fez pensar na mesma.

Maria del Sol disse...

Desconhecendo a razão que levou a este post, resta-me acrescentar um desabafo: fez-se-me um nó na garganta. E qualquer texto que consiga isto só pode ter saído directamente do coração.

Um grande beijinho e, já que é altura disso, um 2008 cheio de boas supresas.

Inspirado disse...

uáu... speechless...