21/12/2007

Just Married

Perdoem-me os nubentes, mas detesto gente recém-casada.


Um dia destes, depois de uma extenuante jornada de trabalho, tive direito à cerejinha no topo do bolo, tão reluzente e vermelhinha que ela era: o casalinho recém-casado, sentadinho à minha frente no Metro. Desculpem-me os "inhos" e as "inhas", mas esta gente parece alimentar-se à base desses epítetos.


Descrição do exemplar da espécie:


  • aliança de ouro, com a maior quantidade de quilates disponível na ourivesaria, e a mais grossa possível, gritante!


  • a boca, num beicinho sapudo, a cada 0,6 segundos buscando um beijo repenicado no beiçal do parceiro (foi nesta parte que eu ia bolsando).


  • os olhares derretidos, alheios a tudo o que acontecia. O senhor que estava sentado ao lado deles, cheio de implantes capilares, tez desmaiada e com ar de Hepatite B, bem que podia ser um bombista islâmico, que eles não reparavam.

A rapariga, valha-me isso, era engraçada, talvez por isso tenha reparado neles. Mas tinha aquele ar de secretária/administrativa/auxiliar, com a calcinha de tecido, a botinha de cano alto, a camisa e o lenço... Toda uma personagem que abomino. Já o marido não se podia gabar de ter esses genes misteriosos que conferem a beleza. Mortiço, apagado,desinteressante. E naturalmente orgulhoso do espécimen ostentado.

Entretanto, repararam que eu os observava. Soltaram aqueles risinhos de cumplicidade muito naughty, mas de quem claramente pouco mais conhece além do missionário. Devem ter achado que estava a admirá-los, a invejá-los no seu privilégio, exclusivo de quem acaba de trocar votos e promessas de amor eterno até que a morte os separe, ou lá o que é. Mal podiam imaginar que, naquele momento, o meu jantar quase lhe aterrava nas roupagens pseudo-executivas.

Gostaria de tirar daqui uma conclusão fenomenal. Lamento desiludir, mas foi apenas um desabafo.

6 comentários:

Anónimo disse...

"gosto de comer com as mãos..." -muito bom!...
Não és do tipo " ah e tal tou apixonada...!", mas pa arranjar namorados de 1h30 já ta td bem!...
raio da miuda!...come , come que faz crescer!=P
bj*

Infocór serviços,lda.

Maria del Sol disse...

Estou de acordo com a tua crítica, mas acrescentaria uma categoria que me consegue irritar ainda mais que os casados de fresco: os casais de namorados teenagers que claramente não têm outro espaço para dar largas à sua líbido para além dos trasportes públicos. Além de constragedor para eles é um espectáculo não recomendado a estômagos sensíveis. Um filme porno com roupa :S

Andreia, Ups disse...

ola ola :) não venho propriamente fazer um comentário no teu blog:P vinha responder ao comentario sobre a malinha que tinhas gostado* igual igual não consigo fazer e aquela ja tem dona* mas faço te uma muito parecida e ponho no blog para veres o que achas boa? bjo bjo feliz natallll

dona disse...

Como eu te entendo...o pior é os estados depressivos galopantes que isso causa, a quem tem de os encontrar nos transportes públicos, e por acaso, só por acaso, está sozinho. All alone.

Inspirado disse...

sinceramente pensei que era isso que todas as mulheres ambicionavam... :-)

Anónimo disse...

Muito sinceramente penso que se deve deixar ser feliz aqueles k são felizes dessa maneira... Lá por estarem agarrados num transporte público, não ker dizer k estejam a ridicularizar os outros k estão sozinhos (como eu)... A felicidade para uns não tem de ser a mesma k para outros. Apesar de concordar consigo imensas vezes, custa-me aceitar k Porutgal ainda é um país(zito) para estereotipos ridiculos! Bom ano!