06/03/2010

III



Hoje foi o terceiro aniversario da morte dela. Longe de tudo e de todos, sinto o forte impulso de ouvir uma voz familiar que me traga algum conforto. Do outro lado, o total desconhecimento da impotância da data. Do lado de ca, uma certeza se levanta. A de que, por muito que tente fugir e me queira convencer de que pertenço a outro lado que não àquele onde me encontro, pertenço onde estão aqueles que me amam e me fazem sempre querer voltar a casa.

Hei-de sentir sempre a tua falta ;(

4 comentários:

Sara disse...

Beijinho grande, querida.***

lampâda mervelha disse...

E sentes. Porque és.
Assim.





E assim deves ser.

*

ema disse...

***

Bruno Gonçalves disse...

Um beijo grande prima =)

Bruno