02/11/2009


De repente, dou por mim a ficar exímia nesta arte de simular sorrisos. Quando se passa de um espaço onde todos os dias vemos as mesmas 3 caras, para um edifício onde diariamente podemos cruzar-nos com cerca de outras 150, há que improvisar. Pois é, parece que um estranho código de conduta secreto dita que se cumprimente toda a alminha com quem nos cruzemos. E como já não há paciência para tantos Bons Dias, Boas Tardes, e Até Já's, vale mais ficar pelo sorriso amarelo.

Facilita. Poupa-nos tempo. Bah.

2 comentários:

Anónimo disse...

Costuma-se dizer que o ser humano é um dos animais com melhor capacidade de adaptação a diferentes meios.
Desta forma, or vezes temos de ser camaleões nesta sociedade. Temos de perceber quando devemos marcar a diferença, quando devemos passar despercebidos ou mesmo quando não devemos sequer estar presentes.
Infelizmente a nossa sociedade evoluiu seguindo um rumo onde a simulação de bem estar, alegria ou simplesmente um sorriso amarelo nos lábios são sinónimos de boa educação ou de não conflituosidade.
Não é algo que ache que abone em nosso favor, nem em favor de uma sociedade mais saudável, mas em se em certos casos for sinónimo de sobrevivência, e melhores condições de vida, então que se lixe!
O que é importante é sermos verdadeiros para aqueles que sabemos que realmente nos amam, e que se formos a ver bem, contam-se pelos dedos. O resto, se kiserem levar a bicicleta, que levem, são eles que vão andar enganados na vida, ou simplesmente têm outra visão e interpretação das coisas.
*

H4rdDrunk3r disse...

E não é que tenho que concordar contigo... :)